sábado, 22 de maio de 2010

Agenda do escritor Antonio Torres

Junho
Dia 16, às 10 horas:
10ª. Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto, SP
Seminário de Leitura e Literatura Infantil e Juvenil
Local: Biblioteca Padre Euclides

Julho
Dias 6, 13, 20 e 27, das 19 às 21 horas:
Casa do Saber do Rio de Janeiro (Lagoa), conforme a programação abaixo.


Ritmos do Jazz em Prosa & Imagens
Oficina Literária em torno do conto O perseguidor, de Júlio Cortázar, ao som de Charlie Parker e imagens dos filmes Bird, de Clint Eastwood, e Round Midnight, de Bertrand Tavernier.

Antônio Torres
.4 aulas *

Na sua juventude, em Buenos Aires, Júlio Cortázar adorava ouvir no rádio Duke Ellington, Louis Armstrong e os velhos cantores de blues, para desespero de seus pais, que estranhavam aquela música de negros. Na idade adulta, já consagrado como um dos mais brilhantes escritores do século XX, quando ficava horas a fio falando do pianista Thelonious Monk, ele viria a escrever um conto dedicado à memória de Charlie Parker, tendo como personagem um saxofonista genial, mas perseguidor do impossível.

A partir da leitura, em 4 partes, desse longo conto, considerado universalmente a obra-prima de Cortázar, esta nova oficina do escritor Antônio Torres na Casa do Saber será mais do que um mergulho num texto que vai fundo na esquizofrenia de um artista de gênio, a apostar corrida contra a loucura e a morte. Oferecerá uma viagem em torno dos ritmos em prosa & verso, ilustrada por fascinantes imagens cinematográficas de uma nova era do jazz em Nova York e Paris, e das origens e desenvolvimento do conto como gênero literário, que teve em Cortázar um dos seus mais instigantes cultores. E, como sempre, com espaço para leitura e análise dos textos criados pelos participantes. Tudo para o seu prazer de ler, ouvir, e escrever. Com liberdade para improvisações, como numa jam session.

Terças-feiras, das 19 às 21 h.

1. 06 JUL – O conto, Cortázar, e a influência do jazz
Introdução à história do conto e seu desenvolvimento, para o qual Júlio Cortázar contribuiu com algumas das mais surpreendentes criações do gênero, de que O perseguidor é um caso exemplar. A relação do jazz com a literatura, segundo Cortázar. E a do ritmo com a escrita, segundo o poeta Octavio Paz. Leitura em sala de 14 páginas de O perseguidor. Na sequência, exibição de um trecho do filme Bird, para uma mais completa caracterização do personagem da história que se começou a ler. Impressões do grupo sobre a prosa de Cortázar, o jazz e as imagens de Clint Eastwood. Espaço para leitura dos textos dos participantes.

2. 13 JUL – A relação da frase musical com a escrita
Continuação da leitura de O perseguidor (mais 14 páginas). Na sequência, exibição de um trecho do filme Round about Midnight, que, como no conto de Cortázar, conta a história de um saxofonista norte-americano em Paris. O título do filme é o mesmo de uma música de Thelonious Monk, uma das mais gravadas no mundo por todo tipo de instrumentista, inclusive o nosso Baden Powell. Outro tema de TM, Blue Monk, servirá de mote para a relação da frase musical com a escrita. Espaço para leitura dos textos dos participantes. Avaliação dos trabalhos apresentados.

3. 20 JUL – O jazz como equivalente ao surrealismo nas letras
Leitura da terceira parte de O perseguidor, seguida da exibição de outro trecho do filme Bird. Na sequência, o que no jazz encantava Cortázar: o fenômeno maravilhoso que constitui a sua essência – a improvisação. O jazz como equivalente ao surrealismo nas letras. O swing que é capaz de dar ritmo a uma frase e pode entrar no leitor por via subliminar. Espaço para leitura dos textos dos participantes. Análise dos trabalhos apresentados.

4. 27 JUL – Letras & jazz: outras inspirações
Para Cortázar, um conto tem de terminar como termina uma sinfonia de Mozart ou um improviso de jazz. A leitura do final de O perseguidor, e a exibição de outro trecho do filme Round midnight servirão de mote para uma explanação sobre o processo criativo literário a partir de temas musicais, com espaço para a narração de experiências dos participantes, sejam quais tenham sido suas fontes de inspiração, assim como para a leitura de seus textos.

Setembro
Dia 4, às 14 horas:
Festa Literária de Marechal Deodoro, Alagoas.
Palestra/recital: “Para gostar de ler e ouvir em sala de aula”.

Novembro
Dia 8, às 11 horas:
III Encontro de Leitura e Literatura da Uneb – Universidade Estadual da Bahia, campus de Salvador.
Diálogo com Escritores/ com a participação de Luis Alberto Mendes e a mediação da profa. Márcia Rios da Silva.

Um comentário:

maria olimpia alves de melo disse...

Que inveja de quem vai assistir...