quinta-feira, 15 de julho de 2010

O Salão das Crianças - Cineas Santos





Como já afirmei em outras oportunidades, o Salão do Livro do Piauí já nasceu grande. A primeira edição, realizada em julho de 2003, atraiu milhares de pessoas e a programação atendeu às expectativas do público presente. Ainda assim, faltava alguma coisa: o oxigênio da alegria que só as crianças possuem em doses elevadas. Como o Salipi se realizou em julho, mês de férias, os alunos da rede pública de ensino não se fizeram presentes. Por sugestão nossa, mudamos a data para a primeira semana de junho e, graças a uma parceria costurada com o SETUT, levamos a meninada para adonar-se do Salão.

Uma tarde, enquanto os ônibus despejavam mais uma enxurrada de crianças no Centro de Convenções de Teresina, uma cidadã bem-nascida fez o seguinte comentário: “Só podia mesmo ter saído da cabeça de jerico do Cineas a ideia de encher o Salipi de meninos sujos e barulhentos que malinam em tudo e não compram nada”. Como esse tipo de comentário anda velozmente, cinco minutos depois, lá estava eu tomando satisfação com a madame. Fui exato e preciso: Minha senhora, desculpe o mau jeito. Convidamos essas crianças da periferia por uma razão de ordem sentimental, digamos. É que fui um menino exatamente assim: pobre, feio, estudante de escola pública, que, por falta de uma biblioteca pública na cidadezinha onde nasceu só pôde ler o primeiro romance aos 17 anos de idade. Isso, como a senhora pode ver, não o impediu de estar à frente de um evento como este. Tenho certeza de que muitas dessas crianças, se tiverem acesso ao livro na hora certa, chegarão bem mais longe do que eu. E mais não disse porque a cidadã já se desmanchava em desculpas e salamaleques.

Por oportuno, vale lembrar que o principal objetivo do Salipi é formar novos leitores. Não por acaso, trabalhamos os dois polos mais visíveis da educação formal: os professores a quem oferecemos o seminário Língua Viva e os estudantes aos quais propiciamos uma programação rica e variada. Parece-nos que a estratégia vem surtindo os efeitos desejados.

Fazer o SALIPI é sempre um desafio que nos deixa esgotados, mas felizes. Ver crianças, aos milhares, ocupando cada espaço do Salão é algo que nos anima a continuar tentando. Vale lembrar aqui um comentário do escritor Moacir Scliar, que já esteve conosco: “Filho de família muito pobre, a única oportunidade em que minha mãe me permitia gastar o que não tínhamos era no dia da visita à Feira do Livro de Porto Alegre. Eu passava o ano inteiro contando os dias que faltavam para a visita à Feira”, afirmou. É possível que pelo menos uma dessas crianças que visitam o Salipi venha a tornar-se um(a) grande escritor(a). Se isso não acontecer, não tem a menor importância. Basta que se torne um bom leitor: a Nação agradece.

Um comentário:

Toninhobira disse...

Um projeto das estrelas que deveria ser seguido.Ir de encontro ás crianças,criar o gosto pela leitura, ou mesmo facilitar o acesso. Para isto com pessoas competentes na seleção, como posso sentir este do Piaui.Aquela madame...Ah, ela recebeu a rebordosa dela. Parabens bela postagem.