sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

O velho sanfoneiro volta a sorrir

No ano passado, que não é tão passado assim, a banda Chiclete com Banana em turnê pelo Nordeste teve seu caminhão-baú – o que transporta os instrumentos da banda – roubado nas estradas de Alagoas. O cantor da banda, Bel Marques, fez uma zoada danada na televisão, apelando para o valor sentimental de uma certa guitarra e ameaçando não tocarem mais, nem mesmo por decreto presidencial. "É a redenção!", exclamei em êxtase. "Viva o ladrão!" Mas meu regozijo durou pouco tempo: na impossibilidade dos ladrões passarem adiante tão precioso tesouro sem que fossem identificados, resolveram devolver o caminhão três dias depois. Sem levarem nada.

Mas nem todo mundo tem essa sorte. A banda baiana teve apoio integral da mídia e dos fãs, denominados “chicleteiros”, que não são poucos. Para quem lê rodapé de jornal, toda semana há notícia de roubo de instrumentos de algum músico necessitado ou remediado. E a mídia televisiva nem taí. Quem se interessaria pelo roubo de um oboé de um mané qualquer? Ou de um violino que não é nem Stradivarius, mas que faz uma falta danada ao seu dono?

Mas a internet também faz sua zoada. Ao roubar a sanfona do mestre Carlitos, o decano dos sanfoneiros de São João do Piauí, segundo o poeta Cineas Santos, o meliante não imaginava que houvesse tamanha repercussão em torno da ocorrência nem a mobilização nacional para devolver a alegria ao velho sanfoneiro. O eco cibernético ressoou na linda juventude são-joanense (uma cidade exatamente do tamanho do Junco) e também na linda juventude das cidades circunvizinhas, dificultando a transação comercial entre o ladrão e o receptor do roubo. Na iminência de ser capado com uma faca cega se pego pela polícia ou população, proposta do Cineas Santos às autoridades competentes, o sacripanta resolveu deixar a sanfona no banco da praça na madrugada da virada do ano, com um bilhete de desculpas para o mestre Carlitos. Ou coisa assim, pois a alegria foi tanta que perdi os detalhes da devolução.

O velho sanfoneiro voltou a sorrir. Como o dinheiro arrecadado na campanha virtual não tem como voltar ao antigo dono, pois foram muitos e não há como se identificar a origem, o montante das doações será entregue a Carlitos. O velho sanfoneiro, de sorriso de orelha a orelha, avisou que vai aproveitar a grana extra para fazer uma cirurgia dos “óios” em Teresina, pois agora pretende ver o mundo com a lente ocular recauchutada. E depois fará uma festa de arromba, com mais de mil sanfonas e zabumbas para comemorar a retomada da vontade de viver.

Deste modo, agradeço aqui aos amigos, parentes, a Edna, aos amigos de Edna, que embarcaram na campanha e contribuíram para fazer uma boa alma sorrir e, futuramente, ver o mundo colorido.

Só uma coisa: não esperem um bilhete de agradecimento do Carlitos, pois ele é analfabeto de pai e mãe. Seus amigos são que são seus emissários.


Abaixo, extrato da conta:

De Saldo da campanha da sanfona


Um comentário:

Toninhobira disse...

Acompnahei esta historia do sanfoneiro.Bem com final feliz.