terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Cineas Santos: Terceiro tempo

Capricho do destino: poucas horas antes de o Timão entrar em campo para conquistar o campeonato brasileiro de 2011, um dos mais festejados ídolos corintianos de todos os tempos saiu de cena sem se despedir dos “loucos” que o veneravam. Às 4h e 30 m, do último domingo, dia 4 do corrente, Sócrates Brasileiro Sampaio de Sousa Vieira, aos 57 anos de idade, foi derrotado por um “choque séptico”, decorrente de uma infecção intestinal, segundo boletim médico. Na verdade, há quatro meses, Sócrates vinha perdendo o jogo para uma cirrose que lhe arruinara o fígado. Na sua última entrevista, o “Magrão”, como era conhecido pelos amigos, mais parecia um desses velhos roqueiros tresmalhados que pervagam pelos bares sórdidos do mundo. Segundo um cronista maluco, “Sócrates morreu de viver”. 

Por duas vezes, tive a oportunidade de vê-lo jogar; a última delas em Teresina. Embora não estivesse numa tarde inspirada, fez duas ou três jogadas que valeram o ingresso. Era, como dizem os cronistas esportivos, “um jogador diferenciado”. Alto (1.92), magro,elegante, mais parecia uma garça-real. Corria pouco, mas via o jogo de cima e errava o mínimo. Nos momentos cruciais, lá estava ele, pronto para o arremate. Ao contrário de Aquiles, cujo calcanhar era vulnerável, o do Sócrates era o terror dos zagueiros. 

Estudante de medicina, Sócrates não encarava o futebol como profissão. Jogava no Botafogo de Ribeirão Preto como diletante. Mesmo quando se fez profissional, se lhe cobravam um comportamento compatível com a condição de atleta, retrucava: “Não sou atleta; sou um artista do futebol”. Em 1978, transferiu-se para o Corinthians e, em 79, ajudou o Timão a conquistar o título de campeão paulista. O mais é do conhecimento geral: vitórias, títulos, sucesso. Se em campo, encantava os torcedores com seu futebol refinado, fora dos gramados era uma espécie de ícone da esquerda brasileira. Articulado, politizado, em plena ditadura, engendrou a famosa “democracia corintiana” que, segundo um desafeto, “era apenas um expediente para fugir da concentração”. Fez campanha pelas “Diretas já” e chegou a comprometer-se a não sair do Brasil. caso a emenda pelas eleições diretas fosse aprovada. Desencantado com o destino do país, transferiu-se para a Itália onde não se firmou. Na seleção brasileira, brilhou, sem conquistar títulos. De volta ao Brasil, jogou no Flamengo, no Santos e encerrou a carreira com a camisa do Botafogo de Ribeirão Preto, em 1989.

Fiel à filosofia do carpe diem, nunca se privou dos prazeres mundanos: fumava e bebia como um celerado. Talvez se possa tirar da tragédia do “Doutor” pelo menos uma lição: o talento mal administrado não leva a nada. Fora dos gramados, Sócrates não foi o melhor exemplo para a juventude brasileira. Talvez não tenha ouvido a recomendação dos que faturam com a indústria da morte: “beba com moderação”.





Um comentário:

Toninhobira disse...

Boa reflexão sobre comportamento e vida.O equilibrio é a grande sacada.Mas há que pense que viver é estar em tudo e em todas.
Meu abraço.