quinta-feira, 21 de abril de 2016

Graciliano Ramos X Getúlio Vargas




Certa vez, antes da dominação Coxinheza sobre a Terra, publiquei no Facebook a minha indignação sobre o achincalhe político contra Graciliano Ramos, em Quebrangulo, cidade natal do mais famoso escritor alagoano: batizaram a praça onde fica a casa que ele nasceu justamente com o nome do maior causador dos males ao escritor: Getúlio Vargas.


Tempos recentes retornei à cidade para pôr a limpo essa lógica pervertida de se homenagear os escrotos. Procuraria saber do autor de tamanha indignidade. Passei um dia indagando do povo a respeito da praça, sem que ninguém desse provimento. Quando a noite caía, encontrei um cidadão sentado na calçada em sério caso de amor com a ociosidade. Perguntei por perguntar, só por descarrego de consciência. Ele me deu a luz:


- Procure o Quéops que ele sabe tudo da cidade!


Não titubeei: saí a indagar pelas ruas e becos onde poderia encontrar personagem tão importante para a história do Egito e para a minha história. Pergunta daqui, pergunta dali, até que alguém me disse: 


- Ele foi levar a filha para uma festa de aniversário.


Peguei o endereço e meti pé no acelerador. A casa de festas ficava a caminho de Palmeira dos Índios. Como eu não estava em trajes festeiros nem tinha convite para entrar, pedi ao porteiro para chamar o Grande Faraó. Ele não demorou a voltar, acompanhado do ilustre cidadão, meu salvador da pátria. Ele era todo sorriso. Apresentei-me e contei o meu dilema em descobrir aquela estranha homenagem que se fez a Getúlio Vargas, porém sem adentrar a parte crítica. Queria saber quem foi o autor da ideia.


- Foi o meu avô, em 1960. Inclusive ele fez uma réplica de Paris, com o Obelisco e o Arco do Triunfo! – disse isso deixando transparecer o maior orgulho pelos feitos heroicos do avô.


Intimamente agradeci a Deus por omitir a minha opinião no ato de perguntar. Agradeci meio sem jeito pela informação, pedi desculpas por interromper seu deleite, dei meia volta-volver e retornei à casa da mãe de Edna, um sítio sossegado ao pé da Serra Grande, na Vila São Francisco.


Na rede, refletindo ao som dos vagalumes e coaxar das rãs, cheguei à conclusão de que para o povo e para os governantes a cultura não vale nada. Seja em Quebrangulo, em Salvador, em Maceió, em Tanque d’Arca ou qualquer outro lugar. As ruas e praças são batizadas com os nomes de políticos, mães de políticos ou amantes dos políticos. Raros são os lugares em que algum cidadão ligado à cultura seja homenageado. E o povo faz questão de isolar historicamente aqueles que não estão ali pregando engabelações ou no beija-mão dos favorecimentos. O Junco só soube que tinha um filho escritor no dia que um padre alemão chegou lá e, na pregação, disse que conhecia o lugar muito antes de estar ali, pois havia saído numa publicação alemã falando do escritor Antonio Torres. Jorge de Lima? Coitado! Não há quem morra de amores pela sua obra nem pela sua existência na cidade de União dos Palmares, sua terra natal.


Se hoje há uma plateia abençoando os rancores contra a esquerda, imagine nos anos arcaicos em que o ranço político dominava os sertões. Mas não acredito que o prefeito de então, um cidadão que passava os fins de semana em Recife e os feriadões na Europa, tivesse a intenção de desbancar Graciliano Ramos. Acho que ele nem sabia da real importância do conterrâneo, vez que ele, Graciliano, ganhou nome e fama quando se mudou para Palmeira dos Índios. Ou que, se sabia, devia desconhecer a história da prisão sem causa do Mestre Graça. Em 1960 Getúlio Vargas era o herói da pátria e todos os meios por ele usados justificavam seu fim. 


Credito o ato aos tempos das trevas, porém hoje já não se justifica mais se manter a homenagem ao cidadão que escrachou a vida de um personagem tão importante na literatura brasileira, principalmente quando tramita na Câmara de Vereadores de Quebrangulo projeto de lei tombando a casa de Graciliano Ramos como patrimônio cultural do município.


É preciso que os nobres edis quebrangulenses consertem essa mancada histórica para que o nobre escritor possa descansar em paz.  
 





Um comentário:

Anônimo disse...

https://www.youtube.com/watch?v=wKVtBfxLgm0