quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

A minissaia e a liberdade à brasileira


Por Adriana Berger


De Minissaia x Uniban



Voltei preocupada com a teoria e a prática que se alastram pelo nosso país: o da liberdade à brasileira. Pelo que vi em grandes e pequenas cidades o Brasil passa por um momento de grande licenciosidade, vulgaridade, superficialidade, besteirol. Vi meninas dançando em cima de garrafas. Sexo aberto em bailes e shows. Em novelas, programas de entretenimento, o corpo da mulher é usado e abusado. Noventa por cento da programação nacional da TV aberta é sobre cirurgia plástica, cosméticos, penteados, fofocas, brigas domésticas, rezas e "curas", receitas, remédios, cães e bichos, violência. Piadas, de bêbado e homossexual. "Psicólogos", "conselheiras" sentimentais e familiares usam sofrimentos de pessoas em programas sensacionalistas.


Há "formadores de opinião" para qualquer assunto. Afirmo, sem medo de errar, que nós precisamos é de formadores de caráter. Há um grande apagão cultural. É como se todos estivessem sonâmbulos. Não se discute nada de profundo, alternativas para o país. A juventude sem sonhos e poesia não tem em quê ou em quem se inspirar. Contrabando é crime, mas, artigos contrabandeados são vendidos nas ruas na cara da polícia. O cerrado e a floresta, mais destruídos. As cidades em colapso no trânsito e na urbanidade. Crime e violência por toda parte. Milhões de brasileiros nas filas de atendimento da péssima saúde pública. O Brasil continua exportando matéria-prima e importando bugigangas. Baixa produção científica e tecnológica. Cada vez menos formandos em matemática, engenharias, física, química, biologia, ciências exatas.


Se escolas e universidades se comportassem como instituições a formar cidadãos para o equilíbrio social e moral do país discussões públicas velhas e exageradas como essa da minissaia em universidade paulista não prosperaria. O X da questão não está na altura da saia rosa-choque da aluna, mas como, onde e por que foi usada. O que fez parte da imprensa "séria" onde microfones e páginas estão nas mãos de "formadores de opinião"? Usou o assunto para aumentar audiência e tiragem.


Isto É critica a Uniban por seu interesse mercantilista. O que fez a revista ao dar capa à minissaia com reportagem cheia de frases do movimento feminista dos anos 60/70? Nenhuma palavra sobre regras, normas, comportamento nas escolas, em sala de aula, respeito mútuo. Destacaram mulheres com os seios de fora em Brasília, defensoras da garota da capa.


A star is born (Nasce uma estrela)


Com apoio da TV Globo nasce uma estrela nos costumes e no showbiz brasileiro. O cenário se repete. A moça já foi convidada para posar nua. Vai desfilar na escola de samba Porto da Pedra. Em breve poderá ter seu espaço televisivo e ser mais uma formadora de opinião. No programa "Altas Horas" ela sentou-se na cadeira da fama, mas de jeans. Mandou recado para milhões de garotas: "a roupa é minha, visto como quiser, às sextas sempre vou a baladas e já saio de casa vestida e não devo satisfação a ninguém, aquele vestido é um dos mais discretos que uso". Recebeu apoio de universitárias de Brasília com os seios à mostra: "se quiser ir nua que vá é a liberdade de cada um, o corpo é meu, ninguém tem nada com isso". O apresentador do programa com cara de pateta, cercado por estudantes-tietes achando-se o máximo por promover a "liberdade". Uma aluna de minissaia, saltos altos, super maquiada, produzida para baladas, em aula noturna, no meio de marmanjos, ou está com problemas de aceitação, chamando atenção para ser notada; ou não sabe a diferença entre o vulgar e o popular; ou esta querendo bagunçar com um confronto premeditado. Nas escolas do mundo todo há normas, uniformes, regras de comportamento onde muçulmanos, cristãos, budistas, ateus, ricos e pobres, educam jovens que continuarão a defender valores e princípios de seus povos e países.


Psicólogos, professores, ao perceberem o comportamento da aluna deveriam ter conversado com ela, orientá-la, ajudá-la a superar fobias e rejeições. Não o fizeram. A reação de estudantes foi desmedida, vazia de conteúdo. Sem instituições sólidas, cria-se a liberdade à brasileira. Em que ou em quem se espelha a aluna do micro vestido? O que tem aprendido em ética, valores, comportamento e convivência social? O que ela ouve e vê a seu redor? "Sou livre, visto o que quiser a hora que quiser". Num país sem retentores morais, com apatia política e cultural, sem critérios, a garota não tem a quem responder ou dar satisfação. Nem em casa, nem na escola, nem à sociedade, nem ao país. "Se, juiz e desembargador podem, eu posso; se deputado e senador fazem, eu também posso fazer; se o presidente, seus ministros, o prefeito, podem, eu também posso". A TV incentiva quebradores de regras. Cria espaço para mulher-melancia, samambaia, melão, morango. Popozudas ensinam danças, abrem as nádegas e, se abaixam, para mostrar mais. O programa Fantástico da TV Globo no dia 15 de novembro entrou em milhões de lares promovendo o livro e o filme da ex-prostituta Surfistinha, a garota da mina saia e o concurso Menina Fantástico. A Proclamação da República, data histórica do povo brasileiro não interessa. Não dá IBOPE. Em dez minutos, a TV Globo daria a milhões de jovens uma necessária aula da queda do império, a velha República, a era Vargas, JK, a ditadura militar e em 15 de novembro de 1989 a Nova República. Estão rasgando páginas de nossa história. A memória nacional se extingue.


Com tanta noticia que precisa ser dado ao povo o noticiário noturno (Globo), no dia 16/11, se despediu destacando prostituta de noticia velha de tablóide inglês. O que ensina e estimula a mais rica e poderosa escola do Brasil? Não há na TV aberta brasileira (concessão pública) incentivo ao cumprimento de leis, a regras de respeito mútuo, à solidariedade e cooperação. Destaques, astros e estrelas, são os da marginalidade, corruptos bem-sucedidos, políticos mentirosos, os da sexualidade vulgar.


Meu querido Brasil: rico por natureza, mas pobre de cidadania, princípios e ética.


Adriana Berger é professora de História e Literatura Brasileira. A publicação no blog foi autorizada pela autora.



5 comentários:

Luiz Andrioli disse...

Respeito o direito da moça usar vestido. Abomino a atitude primária dos colegas de faculdade. Porém, nem de longe isso deveria fazer da moça uma celebridade... Uma pena que estejamos vendo isso acontecer.
Gostei muito da reflexão.

Tom do Junco disse...

Na minha insignificante opinião, acho que a dona mocinha confunde liberdade com licenciosidade. Esse negócio de dizer que não devemos satisfação a ninguém é instituir a bandalheira, a anarquia. Afinal, querendo ou não, até mesmo dentro da mais pura democracia existem regras estabelecidas a serem seguidas.

Anônimo disse...

Adorei esse texto e coloco uma reflexão aqui também... Se as mulheres como essa moça querem ser respeitadas, devem se dar ao respeito. E nossa sociedade é muito paternal com as mulheres nesse sentido, e no entanto meio cruel em outros sentidos. Imaginemos que um dos alunos da Uniban tivesse ido de shorts bem curto e camiseta regata alegando que iria para a aula de natação depois da aula???? Vocês acham que ele entraria na Universidade????
Leila

Mislene Lopes disse...

Concordo com vc Tom quando diz que "até mesmo dentro da mais pura democracia existem regras estabelecidas a serem seguidas.",mas na minha opinião não é uma roupa que define o carater de uma pessoa...veja em Brasilia cheios de "colarinhos branco" dando o golpe no estado. São nossas atitudes, atos e acões quem nos julga culpado ou inoscente e não uma simples roupa...um mendigo não é bem aceito na sociedade por causa dos trapos e maus odores, mas esses mesmo mendingos maioria deles são maios dignos de que muitos engravatados...
Sociedade hipocrita e moralista...muitos atiram pedras sem olhar para sua podridão
Ainda bem que nem todo mundo é assim...pelo menos eu não sou!
Jesus disse: "Aquele que não tiver pecado que atire a primeira pedra!"
a minha pedra eu escondi rsrsrsr

Tom do Junco disse...

Não é da minissaia que vos falo, mas sim, das declarações posteriores da nossa nova musa. Abuso de liberdade é anarquia. A vulgaridade não deve e nem pode virar utopia.