domingo, 4 de julho de 2010

Crônica da Tragédia Anunciada - Ronaldo Torres

De Dunga e os 11 anões



“Eu vou, eu vou, pra casa agora eu vou!” (Hino Oficial da Seleção Brasileira na era Dunga e os onze anões)

Chegou ao fim, melancolicamente, a Era Dunga, assim como aconteceu com a Era Parreira, Lazzaroni e, antes que acontecesse com o Capitão Coutinho, um militar linha dura a serviço da Ditadura e que só jogava bola quadrada, ele se antecipou e nos deu o título de campeão moral, que deve servir tanto o quanto o de Campeão da Copa das Confederações.

Mas há males que vêm pra bem. Em copa do mundo de futebol o brasileiro se entorpece com as palavras de Galvão Bueno e libera geral, sem dar bola pro azar, desde que o azar não dê bola pra bola a nosso favor. Assim, enquanto todo mundo ficava de olho na televisão procurando novidades da seleção brasileira, alguns ministros do Supremo Tribunal Federal, o Tinhoso STF, passavam a rasteira na lei do ficha limpa, liberando alguns sacripantas dos rigores da Lei.

Felipe Melo era a crônica da tragédia anunciada e não vi novidade alguma no que ele fez ou deixou de fazer. Ele era aquilo, só sabia fazer aquilo, mas mesmo assim estava lá, ao vivo e a cores, servindo de boi de piranha. Ele não pediu pra ser convocado, não pediu pra jogar, mas a arrogância do técnico Dunga sobrepujou a sapiência e a inteligência do povo varonil do nosso Brasil.

Acreditava que na Copa do Mundo se convocava os melhores jogadores, mas não foi o que se viu. Vários atletas, que no Brasil ficariam no banco de reserva do Íbis de Pernambuco, o pior time do mundo, estavam a posar de heróis nacionais só porque eram artilheiros na Arábia Saudita e Kuzequistão. Kaká foi convocado doente, com a promessa de ficar bom, não ficou e também não perdeu a condição de titular. Enquanto isso, dezenas de jogadores vendendo saúde foram jogadas na sarjeta, com a desculpa de que não tinham experiência na seleção. Culpados? Somos todos nós que sempre damos um voto de confiança e quando a casa cai nos conformamos com o já desgastado bordão: “daqui a quatro anos tem mais”.

Em verdade, em verdade vos digo: quem jogou um futebol chifrin diante de um time chamado Azeibarjão e amarelou com os amarelos da Coréia do Norte, não merece passar das oitavas de final. Seleção que quem faz gol é um lateral, quem arma as jogadas é um beque central, não merece chegar as quartas de final. E chegamos, não por mérito, mas pelo medo estampado na cara da seleção chilena que entrou em campo disposta a não levar goleada. Como todos nós brasileiros, eles também acreditaram em Galvão Bueno.

E o Presidente Lula, do alto de sua importância política, vem nos consolar com palavras sábias de filósofo de botequim: “Dunga acertou mais que errou”. Errado, Senhor Presidente. O objeto de cobiça dos brasileiros é a Taça da FIFA, e não a Copa América; o objetivo dos quatro anos de treinamento é a Copa do Mundo e não a Copa das Confederações. O que adianta nadar, nadar, nadar e morrer afogado na praia? Para que serviu dar cinco a zero em Portugal, em jogo amistoso, e faltar futebol na hora da cobra fumar?

Senhor Presidente, em vez de sair por aí falando besteiras e criando novo título de campeão moral, junte-se à nação futebolística num grito único de protesto:

– Cala a boca, Galvão Bueno!

4 comentários:

Edna Lopes disse...

Acabooooooou, Acaboooooou!!UFA! Graças!Ainda bem que há vida fora dos campos de futebol!

Toninhobira disse...

E assim o povo volta aos gramados da vida dura e cruel que rola por aqui,tira os olhos da telinha e voltam para realidade brasilis. Bela cronica com relato preciso do que foi esta preparação(sic) da era Dunga.A arrogancia, o desprezo ao talento,nao poderia sair vitoriosa,pois assim se pensaria diferente o futebol.A arte fica para depois.

Mislene Lopes disse...

Em ano de copa percebo que Brasileiro só é Brasileiro de quatro em quatro ano...
Mulher é apaixonada por futebol de quatro em quatro ano...
O Brasil só é orgulho de quatro em quatro ano...
Mas, desta vez foi só até as quartas de finais.
Em época de eleição o povo continua sendo enganado, mas não é de quatro em quatro ano e sim todo dia!!!

ELTON NEVES O ANJO DAS LETRAS. disse...

Infelizmente o Dunga esqueceu ou não sabe o significado da palavra seleção!Seleção quer dizer escolher, selecionar o melhor do melhor,e ele não fez isso,ao contrário,ele convocou para a Copa da áfrica os seus fiés escudeiros que ficaram ao seu lado durante os quatro anos de trabalho até o mundial.Ela se esqueceu que seleção brasileira de futebol seria escolher os melhores jogadores nascidos aqui, no Brasil,independentemente se jogam aqui ou não. Bom mas essa seleção já começou errada quando o ignóbel do Ricardo Teixeira escolheu o Dunga que não faz parte do roll dos melhores técnicos do país para comandante técnico da seleção canarinho.Acho que nós brasileiros temos de dar um dicionário para esses caras, para que aprendam o significado da palavra se-le-ção.Maradona foi menos pior que Dunga, convocou bem a seleção argentina do meio para frente,do meio para trás é que ele foi muito infeliz.Ter deixado o lateral Javier Zanetti de fora foi um pecado.