quinta-feira, 30 de agosto de 2012

A música caipira não é música sertaneja


Certa vez, vagando por um desses grupos literários da vida cibernética, escrevi sobre um presente que ganhei de um primo, vindo de São Paulo, ou, Sumpalo, como diria o povo antigo da minha terra: uns cds da dupla caipira Tonico e Tinoco. A minha surpresa ficou por conta dos comentários saudosistas da época da música caipira, muitos dizendo ter se lembrado dos pais ou tios, a maioria, do interior paulista. 

Cresci com um pé na urbe e outro na roça. Na cidade, minha mãe cantava Orlando Silva; na roça, meu pai cantava Tonico e Tinoco. Meus amigos, cantavam trilhas sonoras de novela. Depois virei um garoto que amava os Beatles e os Rolling Stones e daí para frente a Verde-Oliva me desencaminhou pelas veredas da clandestinidade musical, mas aquela melodia a toque de viola nunca saiu da minha cabeça, nem mesmo quando a mídia começou a fabricar duplas sertanejas estilizadas para preencher o cérebro de camarão de uma geração perdida no espaço e no tempo. E essa geração, mais perdida do que cego em tiroteio, chegou ao terceiro milênio sem rumo e sem prumo musical, ao ponto de transformar um “ai se eu te pego” no hino nacional brasileiro.

É aquela história: quando a gente pensa que não há mais o que piorar, descobre que ainda há areia no buraco para ser retirada. As duplas caipiras estão subindo para o degrau superior e a mídia voraz nos presenteia com essas duplas de dois sertanejas, ou até mesmo reinventando o absurdo midiático como é essa tal de Joelma e seu parceiro Ximbinho. “Chegamos ao fim do poço”, pensei ao ver essa dupla azucrinando nossos tímpanos no dia a dia, mas não demorou muito e apareceram outros que deixaram a Banda Calypso parecida com a Orquestra Sinfônica Brasileira.  

Mas nem tudo está perdido. Inezita Barroso e Rolando Boldrin salvam a televisão brasileira do caos cultural em seus programas semanais, ambos, reprisados aos domingos. Inezita Barroso, com seu programa “Viola, Minha Viola”, voltado para a música caipira de raiz, e Rolando Boldrin com o programa “Sr. Brasil”, resgatando o regionalismo. Xangai tentou algo parecido na TVE baiana, mas não sei se logrou êxito. Se qualidade desse Ibope, a Tevê Cultura seria campeã de audiência.

Lá, para as bandas de Foz de Iguaçu, uma jornalista nas horas cheias, e poetisa nas horas vagas, ou vice-versa, Jeanne Hanauer, resolveu inovar no seu programa televisivo e cibernético trazendo ao público, principalmente o urbano, a mais genuína música de raiz, a caipira, acompanhada pela passarinhada silvestre. Assim, é mais um canal que se soma para não nos deixar morrer pateticamente urbanos.






3 comentários:

Jeane Hanauer disse...

Perfeito!!!! Falou de maneira brilhante!!

Jeane Hanauer disse...

Perfeito!!!! Falou de maneira brilhante!!

Ronaldo Torres disse...

Obrigado, Jeane. Seu programa foi dez.